TJAC visita equipe da Patrulha Maria da Penha em Brasiléia

Integrantes do Judiciário do Acre reconheceram a importância dos atendimentos especializados da Patrulha Maria da Penha, no atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, com medidas protetivas

Durante a agenda de apresentações às câmaras de vereadoras e vereadores de quatro cidades do Alto Acre dos projetos para implantação de leis instituindo Programas de Prevenção e Combate à Violência Doméstica Intrafamiliar, as integrantes da Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar (COMSIV), do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), visitaram, na sexta-feira, 20, o 5º Batalhão da Polícia Militar do Acre, localizado em Brasiléia, para conhecer a equipe que atua na Patrulha Maria da Penha.

Segundo foi explicado pelos policiais, atualmente, a Patrulha Maria da Penha tem três oficiais designados para o trabalho, sendo uma mulher. A unidade atende a população dos dois municípios vizinhos, Brasiléia e Epitaciolândia. Além disso, estão articulando a construção de um espaço exclusivo para receber as mulheres que forem até ao Batalhão denunciar as violências sofridas.

Esse tipo específico de atendimento policial, voltado às mulheres vítimas de violência doméstica, foi instituído no Acre em 2019, dentro da Polícia Militar do Acre. Entre os serviços prestados pela Patrulha Maria da Penha estão: o acompanhamento e fiscalização as medidas protetivas; atendimento as mulheres que foram alvos desses crimes; e ainda realizam a sensibilização e orientação dos integrantes da corporação, como também da população, com ações educativas e formativas.

A desembargadora Eva Evangelista, coordenadora da COMSIV, elogiou o trabalho desenvolvido e a responsabilidade da equipe de Brasiléia. “Muito bom ver esse compromisso, essa responsabilidade e vamos levar esse exemplo das senhoras e dos senhores para a Rede de Proteção Estadual às Mulheres”, disse a decana da Corte de Justiça.

A juíza Andréa Brito, auxiliar da presidência do TJAC e titular da Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas da Comarca de Rio Branco (Vepma), também reconheceu a seriedade dos integrantes da corporação que atuam em Brasiléia e lembrou que essa postura é fruto das capacitações realizadas.

Emanuelly Silva Falqueto | Comunicação TJAC