TJAC conhece prática de módulo de correição do TJRO

Corregedoria-geral da Justiça do estado vizinho apresentou práticas e fluxos exitosos que são realizados por suas equipes

A troca de conhecimento tem sido uma prática essencial entre os tribunais de Justiça do país para o melhoramento de serviços. Com esse intuito, o Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), por meio da Corregedoria-Geral da Justiça, fez questão de conhecer o trabalho desenvolvido pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), estado vizinho.

O corregedor-geral da Justiça do TJAC, desembargador Elcio Mendes, esteve reunido com o corregedor-geral da Justiça do TJRO, desembargador Valdeci Castellar Citon, e sua equipe, na segunda-feira, 18, para conhecer os projetos de tecnologia daquele Tribunal, a exemplo do módulo de correição da CGJ, módulo gabinete do PJe e a Central de Processos Eletrônicos (CPE).

O módulo de correição da CGJ foi entregue no dia 13 de outubro pelo Núcleo de Aprimoramento da CGJ (Nuapri), para automatizar os dados das unidades judiciais de 1° Grau para fins de correição judicial e retirar o trabalho manual dos servidores. Ele dispõe de vinte e um indicadores, dentre eles “Metas do CNJ”, “Violência Doméstica”, “Controle das tarefas/caixas PJe”, “Audiências” e “Controle Processual – Cartório”.

O Módulo Gabinete, desenvolvido pela Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (STIC) também foi uma das iniciativas apresentadas, bem como a Central de Processos Eletrônicos (CPE), cujas boas práticas adotadas no cartório eletrônico rondoniense e o fluxograma das rotinas cartorárias renderam o Prêmio de Boas Práticas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O desembargador Elcio Mendes também conheceu mais da Central, no sentido de como ela obtêm melhor aproveitamento por concentrar e dividir o trabalho das equipes, além de trabalhar com equilíbrio e com a ordem cronológica dos processos. Durante o período pandêmico, a equipe em home office conseguiu concluir as demandas diárias e geraram, aproximadamente, 30% a mais de produtividade, segundo informações apresentadas.

“A CPE está onde está hoje graças ao perfil dos servidores que se empenham em prestar um serviço de qualidade. Ela é resultado de inspirações de outras tecnologias e a forma de condução que rege atualmente foi adaptada durante o processo.” explicou o corregedor, Valdeci Castellar Citon.

O desembargador Elcio Mendes agradeceu a apresentação dos projetos tecnológicos desenvolvidos no TJRO e reiterou que o Tribunal é um exemplo no tratamento da justiça e nos passos tecnológicos que tem dado.

*Com informações da Assessoria de Comunicação do TJRO

 

Andrea Laiana Coelho Zilio | Comunicação TJAC