CIJ e Esjud lançam o Projeto Infância Literária

Objetivo é democratizar o acesso aos livros e estimular a leitura nas escolas públicas de Rio Branco.

Despertar a leitura desde a fase inicial da vida em escolas públicas de Rio Branco, contribuindo para formação de cidadãos mais participativos e integrados à sociedade. Com essa visão, a Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ), com o apoio da Escola do Poder Judiciário (Esjud), lançou nesta quinta-feira (8) o Projeto Infância Literária. A iniciativa tem o apoio da Fundação Elias Mansour e da Fundação Garibaldi Brasil.

A abertura oficial teve no dispositivo de honra as presenças da desembargadora Regina Ferrari, da juíza de Direito Andréa Brito, representando a Presidência do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC); do promotor de Justiça, Iverson Bueno, do diretor da Elias Mansour, Jackson Viana; do representante da Garibaldi Brasil, Tales Farias, do jovem escritor Luiz Moraes, da Academia Juvenil Acreana de Letras (AJAL); da pedagoga Alessandra Gonçalves, representando os demais servidores do TJAC e de Adriana Lopes, professora da Escola Estadual Maria Angélica de Castra, que acompanhou as crianças. Mesmo com a agenda de compromissos apertada, a desembargadora Eva Evangelista fez questão de abrilhantar a atividade de lançamento.

As falas

“Como disse o escritor argentino Jorge Luís Borges, “creio que uma forma de felicidade é a leitura. O lançamento deste projeto enche os nossos                       corações de satisfação e também de esperança. Vocês darão os primeiros passos nessa ação tão importante para a educação e para a cidadania. A expectativa é de que tenhamos adultos mais conscientes de suas escolhas e responsabilidades”, destacou Regina Ferrari, coordenadora da CIJ e diretora da Esjud.

A magistrada alertou que 44% por cento da população não lêem e 30% nunca compraram um livro.

Jackson Viana elogiou a ideia, frisando que foram lançados neste ano 13 livros de autores jovens e adolescentes pela Fundação Elias Mansour e que apoiará continuamente a ação.

Tales Farias ressaltou que as crianças não devem ser vistas como o futuro da nação, “mas como o presente, pois já podem fazer a diferença”.

Os objetivos

Os principais objetivos do Infância Literária são:

  • Democratizar o acesso aos livros e estimular a leitura nas escolas públicas de Rio Branco;
  • – Fomentar a aquisição da linguagem e o domínio das palavras e seus significados;
  • – Ampliar o repertório literário de crianças;

Atrações

Ao som do violino conduzido por Natanel, do Conservatório Musical do Vale do Juruá, as crianças da Escola Estadual Maria Angélica de Castro foram agraciadas com a entrega de livros infantojuvenis, entregues pelas autoridades.

Outro ponto de destaque na programação foi a contação de história “A árvore generosa”, que aborda uma história poética sobre o amadurecimento de uma relação de amor e afeto entre uma frondosa um menino e uma árvore frondosa. Tânia de Oliveira interagiu com os novos cidadãos, conquistando mais do que a atenção, a simpatia, respeito e compreensão do tema.

O jovem escritor acreano Luiz Moraes dialogou com os meninos e meninas, incentivando-os ao hábito da leitura e mostrando que os verdadeiros poderes não são os dos heróis dos quadrinhos ou das telas do cinema, mas sim a memória, a criatividade e a inteligência.

Também foi oferecida aos pequeninos a pintura facial, com a artista Alaíne Mesquita, que faz parte do grupo Expresso Animação.

Marcos Alexandre/Esjud | Comunicação TJAC