Projeto Cidadão realiza casamento coletivo em escola rural de Tarauacá

Em paralelo ao casamento coletivo foram ofertados para a população, serviços como emissão e documentos, atendimentos jurídicos, de assistência social e de saúde.

Noventa e três casais oficializaram a união em mais uma edição do Projeto Cidadão, realizado nesta terça-feira, 2, desta vez na Escola 15 de Junho, BR-364, Km 18, no município de Tarauacá.

Compuseram o dispositivo de honra a coordenadora do Projeto Cidadão, desembargadora Eva Evangelista, a juíza-auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), Andrea Brito, a prefeita do município de Tarauacá Maria Lucinéia; representando o Ministério Público do Acre (MPAC), a promotora de Justiça Luana Diniz; representando a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE), a defensora Pública Danila Porto; a delegatária Priscila Bezerra, além de representantes do Poder Legislativo Municipal e Polícia Militar.

Celebrado pela juíza de Direito Ana Paula Saboya, e com as bênçãos do pastor Francisco Cunha e do padre Antonio Maria, a cerimônia foi realizada na quadra da escola, ornamentada carinhosamente pela comunidade.

A magistrada celebrante disse que seu sentimento é de dignidade, enquanto juíza e defensora da constituição, cujo um dos princípios é a dignidade humana, e que a ação social resgata a auto estima do cidadão. “Gratificante ver nos olhos das pessoas o desejo de exercer seu papel de cidadão, conseguir documento, atendimento médico, jurídico e o casamento coletivo que é maravilhoso. Então, o Projeto Cidadão é de suma importância, pois o sentimento de cidadão está um pouco perdido e quando o Estado mostra e abraça as pessoas mostrando o quanto elas são importantes a sociedade fica com a auto estima melhor e esse trabalho nos estimula, nos instiga, e nos deixa certo que estamos no caminho que a missão está sendo cumprida”, finalizou a juíza Ana Paula Saboya.

A coordenadora do Projeto Cidadão, desembargadora Eva Evangelista, em seu discurso, reforçou que “esta ação só é possível graças aos esforços e união de várias instituições parceiras”. Bem como, o convênio firmado com o Ministério da Justiça, fruto de proposta do Tribunal de Justiça que concorreu a um edital, sendo o Projeto Cidadão um dos selecionados.

A magistrada deixou ainda um recado aos noivos, relembrando um poema de Raimundo Correia. “Há muitos anos atrás aprendi um poema que diz ‘A felicidade é a árvore milagrosa com que sonhamos, mas nós sempre a pomos onde não estamos. E nunca a pomos onde nós estamos, porque nós estamos sempre esperando pelo amanhã’. Que a felicidade e união que está sendo realizada, seja colocada no hoje, pois o hoje é que fará o amanhã”, finalizou a decana da Corte acreana.

Não escondendo a felicidade e sorrindo bastante, Francisco de Assis Braga Vieira (27 anos) e Iris Ferreira Machado (20 anos), que estão junto há 10 meses, souberam da oportunidade por uma rede social e já decidiram selar a união. Francisco é nascido na comunidade e mudou para a cidade, mas ele fala do privilégio de casar no primeiro casamento coletivo do Projeto Cidadão nesta escola. Iris fala que por não terem condições de pagar a taxa, o sentimento no dia do seu casamento é de “gratidão e felicidade, graças ao Projeto Cidadão”. Francisco solta um largo sorriso e diz “eu tô feliz”.

Como tradição, o casal mais jovem e o casal mais experiente ganham local de destaque. Representando o casal mais jovem Diego de Souza Ferreira (22 anos) e Karla Oliveira da Silva (17 anos). Já o casal mais experiente, juntos há 58 anos, foi Euclides dos Santos Nascimento (76 anos) e Geruza Maciel da Silva (73 anos).

Serviços e parceiros

Em paralelo ao casamento coletivo, as salas da escola foram ocupadas por serviços para a população. Entre os serviços oferecidos estão a emissão de RG, CPF, segundas vias de certidões de nascimento, atendimentos jurídicos, atendimentos de saúde com médicos, odontologista e testes rápidos.

Cumprimentando e agradecendo cada parceiro de sala em sala, a coordenadora do Projeto Cidadão, desembargadora Eva Evangelista, fez questão de ir ao encontro dos parceiros que são fundamentais. “É muito difícil fazer uma edição do Projeto Cidadão em locais mais distantes, mas é justamente com essa proposta de acesso a justiça e estar próximo do cidadão que o TJAC fez essa proposta ao Ministério da Justiça e foi bem acolhido, mas que não poderia ser realizado sem as instituições parceiras, sem a cooperação do Governo do Estado e dos Municípios”, concluiu.

Além de participar do casamento, Alisson Barbosa Morais e Maria de Fátima Lima de Souza, ambos com 19 anos, aproveitaram também outros serviços oferecidos, como inscrição no Auxílio Brasil, consulta médica, segunda via do documento de RG. Eles estão juntos há dois anos e oito meses e já tem uma filha de 2 anos, que estava fazendo aniversário no dia do casamento dos pais. Alisson trabalha numa serraria e um colega de serviço comentou sobre a oportunidade e não perdeu tempo. “Eu já tinha o sonho de casar, mas não tenho recursos, então com essa oportunidade eu aproveitei tanto para casar como utilizar os outros serviços”, disse Alisson.

Já Emerson de Oliveira Pereira, 16 anos, morador do Ramal Cachoeira, Projeto de Assentamento Tarauacá, para tirar sua primeira carteira de identidade, fez a viagem de uma hora de moto com seu pai, pelo ramal. Ele soube da oportunidade através de servidores da prefeitura que faziam um trabalho na comunidade. Para ele, a ação social é “importante, pois ajuda muito o pessoal da região”.

Absolutamente impensável a realização do Projeto Cidadão sem o apoio das parcerias. A contribuição de todas as instituições, seja a nível municipal, estadual ou federal são indispensáveis para execução desta ação social, que das 8h às 16h, alcançou o total de  1.991 atendimentos.

O Tribunal de Justiça agradece a cada parceiro que esteve presente nesta edição como Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE-AC), o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), o Governo do Estado do Acre, através de sua Secretaria de Polícia Civil  – Instituto de Identificação, a Secretaria de Saúde  (Saúde Itinerante), a Secretaria de Estado de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para Mulheres (SEASDHM), a Polícia Militar do Estado do Acre (PMAC), e a Prefeitura Municipal de Tarauacá, por meio de suas Secretarias de Assistência Social, Saúde, Produção, Educação, Meio Ambiente; além da Câmara de Vereadores.

Elisson Nogueira Magalhaes | Comunicação TJAC