TJAC inicia tratativas para implementação do Programa Jovem Aprendiz

A previsão é a contratação de trinta adolescentes e a formação técnico-profissional no âmbito do TJAC, mediante atividades teóricas e práticas

A presidente do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), desembargadora Waldirene Cordeiro, participou de reunião por videoconferência, nesta sexta-feira, 8, com a Coordenadoria da Infância e Juventude (CIJ) para apresentação do Programa Jovem Aprendiz, com o objetivo de implementação no Poder Judiciário acreano.

Representando a CIJ, a desembargadora Regina Ferrari e a juíza auxiliar da Presidência Andrea Brito, apresentaram e discutiram os principais aspectos do projeto, assim como as possibilidades de execução, cases de sucesso e os custos estimados.

O Programa se baseia na Recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), nº 61/2020 que aconselha aos tribunais brasileiros a implementação de programas de aprendizagem voltados à formação técnico-profissional metódica de adolescentes e jovens, a partir dos 14 anos, na forma dos artigos 428 a 433 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A proposta é a contratação de adolescentes, e assegurar ao jovem aprendiz formação técnico-profissional metódica no âmbito do TJAC, mediante atividades teóricas e práticas desenvolvidas a jovem maiores de quatorze e menores de vinte e quatro anos de idade.

A desembargadora-presidente, Waldirene Cordeiro, parabenizou a CIJ pelo projeto e disse que irá abraçar a ideia. Ela sugeriu um levantamento para a escolha do público-alvo.

Na oportunidade, a desembargadora Regina Ferrari, sugeriu que o Poder Judiciário do Acre deve iniciar contratando os jovens em situações mais vulneráveis e fez um pequeno levantamento do programa Radioativo que vem alcançando resultados positivos entre a classe empresarial, na inclusão de jovens egressos do Sistema Socioeducativo.

Elisson Nogueira Magalhaes | Comunicação TJAC