Reunião discute sobre novas etapas relacionadas à virtualização dos inquéritos policiais dos casos de violência doméstica

Até o momento, dos mais de seis mil, 4.200 inquéritos já foram digitalizados.

Nova reunião relacionada à virtualização dos inquéritos policiais dos casos de violência doméstica foi realizada, nessa quarta-feira, 24, para tratar das próximas etapas do plano de trabalho. Até o momento, dos mais de seis mil, 4.200 inquéritos já foram digitalizados.

Essa fase da virtualização dos casos está sendo realizada pela Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário, junto à Vice-Presidência do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), a Corregedoria-Geral da Justiça (Coger), a Diretoria da Tecnologia da Informação (Ditec) e do Núcleo de Estatística e Gestão Estratégica (Nuege), além de servidores da Policia Civil, que atuam na DEAM, e do Instituto de Assistência e Inclusão Social.

O corregedor-geral da Justiça, desembargador Júnior Alberto, ressaltou a importância da reunião para compartilhar o plano com o Ministério Público Estadual, para prosseguimento do serviço, e traçar estratégias para cada órgão envolvido.

“Estamos em uma fase adiantada, mas sabemos que isso é o início do trabalho. Ainda temos várias outras fases e temos de compartilhar com os outros órgãos para eles darem continuidade”, comentou.

O trabalho atual está sendo realizado por meio de uma linha de montagem, dividida em três grupos: os que fazem a higienização dos inquéritos (retirando grampos, clipes e sujeiras que os documentos possam conter), os que virtualizam os papeis; e, por fim, a equipe que cadastra os inquéritos no sistema.

A desembargadora Eva Evangelista, responsável pela Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário Acreano, salientou sobre as novas etapas.

“Vamos começar as outras fases. Quando sair do nosso controle, os processos estarão com os outros órgãos e não podemos deixar, um trabalho tão grande como esse, para que as fases subsequentes, não sejam exitosas como têm sido”, disse a coordenadora.

A equipe de digitalização é composta por cinco servidores da Justiça do Acre, seis da DEAM, um servidor Instituto de Assistência e Inclusão Social (IAIS) do Estado, e cinco policiais da Assessoria Militar do TJAC (Asmil).

 

 

Assessoria | Comunicação TJAC