Câmara Criminal julga quase 80 processos em uma única sessão

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Acre continua julgando um grande volume de processos a cada semana. Nesta quinta-feira (27), por exemplo, houve a apreciação de 75 processos em apenas uma sessão.

Os desembargadores se reuniram na 44ª Sessão Ordinária deste ano para oferecer celeridade no julgamento dos recursos que são interpostos/impetrados no Órgão Julgador.

A produtividade da Câmara obtida revela a preocupação em se garantir que seja dada uma resposta judiciária rápida aos cidadãos em matéria criminal.

Foram apreciados habeas corpus, apelações criminais, agravos de execução penal e outros recursos durante a realização dos trabalhos.

Caso Motosserra

Estava pautada para essa mesma sessão a apelação nº 0049048-75.2010, na qual figuram como apelantes Hildebrando Pascoal, Pedro Pascoal e Aureliano Pascoal – acusados da sessão de tortura que redundou na morte do mecânico Agilson Santos Firmino, o “baiano”, em 3 de julho de 1996.

Em setembro de 2009 eles foram a Júri Popular no julgamento do também conhecido “crime da motosserra”.

A apelação foi retirada de pauta porque o revisor do processo, desembargador Francisco Djalma, se declarou suspeito em apreciá-la em virtude de “foro íntimo”.

Nesse sentido, haverá uma nova distribuição do processo, ocasião em que será designado um novo revisor e, consequentemente, uma nova data para o seu devido julgamento.

A Sessão da Câmara Criminal foi composta pela desembargadora Denise Bonfim (presidente), desembargadores Samoel Evangelista e Francisco Djalma (membros) e as procuradoras de Justiça Giselle Mubarac e Gilcely Evangelista, membros do Ministério Público Estadual.


Competência da Câmara Criminal


Processar e julgar:

  • Os pedidos de habeas corpus, sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer  violência ou coação em sua liberdade de locomoção por ilegalidade ou abuso de poder;
  • O recurso das decisões proferidas, nos feitos de sua competência, pelo seu presidente ou relator;
  • Os conflitos de jurisdição entre juízes criminais de primeiro grau ou entre estes e autoridades administrativas, nos casos que não forem da competência do Tribunal Pleno;
  • A representação para perda da graduação das praças, nos crimes militares e comuns;
  • Os mandados de segurança contra ato dos juízes de primeira instância e dos procuradores de justiça, em matéria criminal.

Postado em: Notícias | Tags:

Fonte: Atualizado em 19/12/2014