Caso Johnliane: interrogatórios e debates marcam segundo dia de júri

Por volta das 18h, o juiz Alesson Braz, titular da unidade, suspendeu o júri para retorno nesta quarta-feira, 19, onde ocorrerão a réplica, a tréplica, a votação dos jurados e será proferida a sentença.

O segundo dia de júri do caso Johnliane, que acontece na 2º Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar da Comarca de Rio Branco, foi marcado pelos interrogatórios dos réus e debates entre acusação e a defesa. O júri, que ocorre no Fórum Criminal, na Cidade da Justiça, tem mais de 400 pessoas cadastradas para acompanharem a sessão tanto de modo presencial quanto virtual.

No primeiro dia de julgamento, que ocorreu na terça-feira, 17, nove testemunhas foram ouvidas tanto de defesa quanto de acusação. Nesta quarta-feira, 18, ocorreu o interrogatório dos réus. O primeiro a ser ouvido foi Ícaro José que negou ter praticado racha, disse nunca ter visto Alan, e ressaltou que tinha consciência de ter atropelado alguém, mas não prestou socorro por medo de retaliação. Durante o interrogatório ele assumiu ter consumo bebida alcoólica e também pediu perdão à família da vítima.

Já Alan disse não ter bebido, reafirmou que não conhecia Ícaro e que não praticava racha. Ele confessou também que tinha consciência em estar dirigindo em alta velocidade, que viu o acidente, parou, e ainda tentou ver para onde o carro de Ícaro tinha seguido. Na oportunidade, ele comentou os dias em que ficou preso no Complexo Prisional Rio Branco antes de ir para o Batalhão Ambiental, onde encontra-se preso atualmente.

Após os interrogatórios dos réus, que ocorreram pela parte da manhã, tiveram início os debates entre acusação e a defesa. O Ministério Público teve 2h30 e a defesa teve 1h15 para cada réu.

Atuam na acusação o promotor de Justiça Efrain Enrique Filho. Na defesa de Ícaro atuam os advogados Luiz Carlos da Silva Neto; Jorgenei da Silva Ribeiro; Ricardo Gontijo Buzelin e Antônio Araújo da Silva. Os advogados de defesa do Alan são Helane Christina da Rocha; Janína Sanchez; Carlos Venícius Júnior; Edilene da Silva e Kátia Siqueira.

Por volta das 18h, o juiz Alesson Braz, titular da unidade, suspendeu o júri para retorno nesta quarta-feira, 19, onde ocorrerão a réplica, a tréplica, a votação dos jurados e será proferida a sentença.

Caso

A vítima foi morta no dia 6 de agosto de 2020, quando se dirigia ao trabalho, e foi atingida pelo veículo BMW, conduzido por Ícaro José, que trafegava na AV. Antônio da Rocha Viana, com Alan Araújo de Lima, que conduzia um veículo marca VW, modelo Fusca 2.0T.

Ana Paula Batalha | Comunicação TJAC