Editora é condenada por renovar assinatura de revista sem autorização do consumidor

Ao analisar o mérito, a juíza de Direito verificou ser inconteste a falha na prestação de serviços da empresa ré.

O 1º Juizado Especial Cível da Comarca de Rio Branco julgou parcialmente procedente o pedido formulado no Processo n° 0017922-78.2016.8.01.0070 por J.I.O.A., em face da Editora Abril que renovou assinaturas de revistas, não respeitando a manifestação negativa do consumidor.

A decisão foi publicada na edição n° 5.947 do Diário da Justiça Eletrônico (fl. 73). A juíza de Direito Lilian Deise, titular da unidade judiciária, determinou o pagamento de indenização à título de danos morais no importe de R$ 1.500,00 e condenou ainda a editora ré a pagar a importância de R$ 2.347,86, à titulo de dano materiais.

Entenda o caso

O autor tinha a assinatura de duas revistas, então esclareceu em sua petição inicial que ao final do prazo do contrato recebeu um aviso por escrito para que caso não desejasse a renovação dos periódicos deveria comunicar sua desistência, o que foi feito.

Ocorre que, mesmo havendo comunicado a desistência das assinaturas, a ré renovou o contrato sem qualquer anuência do reclamante, vindo a efetuar os descontos das parcelas de renovação em seu cartão de crédito, indevidamente.

Decisão

Ao analisar o mérito, a juíza de Direito verificou ser inconteste a falha na prestação de serviços da empresa ré que, abusivamente, renovou a assinatura das revistas mesmo diante da manifestação do consumidor.

O autor comprovou sua manifestação negativa mediante o registro dos protocolos nos autos. Bem como, apresentou suas faturas de cartão de crédito, que registram vários descontos mensais no importe total de R$ 1.173,93. Esse valor deverá ser devolvido em dobro pela demandada, em razão de tratar-se de cobrança indevida, conforme previsão legal do artigo 42, parágrafo único, do Código de Defesa Consumidor.

A magistrada também vislumbrou os danos morais sofridos pelo consumidor que não foi atendido no seu pedido de cancelamento da assinatura de revistas pela parte reclamada. “Ao contrário, foi submetido à angústia de ver todos os meses lançamentos de cobranças em seu cartão de crédito que, sem dúvida alguma, acarretava abalos em seu orçamento doméstico”, concluiu.

Da decisão cabe recurso.

Postado em: Notícias | Tags:

Fonte: Publicado em 24/08/2017