Homem acusado de matar namorada e esconder corpo em cisterna é condenado a 35 anos e 4 meses de reclusão

Crime ocorreu em setembro de 2020 e o réu foi denunciado pela prática dos crimes de feminicídio qualificado, ocultação de cadáver e roubo. Julgamento durou seis horas e 10 minutos.

O julgamento do homem suspeito de assassinar a namorada e esconder o corpo em uma cisterna aconteceu nesta terça-feira, dia 14 de junho, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco. A sessão do Júri Popular, na qual sete pessoas foram ouvidas, durou 6 horas e 10 minutos. 

O réu foi condenado a 35 anos e 4 meses de reclusão e 80 dias multa. Foi fixado regime inicial fechado para o réu. Conforme os autos, o crime aconteceu em setembro de 2020 e o corpo da vítima foi encontrado dentro de uma cisterna na casa onde a falecida residia. O motivo do crime teria sido ciúmes.

Por isso, o homem foi denunciado pela prática do crime de homicídio qualificado por: motivo torpe, emprego de meio cruel, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio (artigo 121, §2º, incisos I, III, IV e VI, na forma do §2º-A, inciso I. Além disso, foi apontado que teria cometido os crimes de ocultação de cadáver e furto (art. 211 e 155, §2º, II do Código Penal).

O outro homem acusado de participação no crime foi impronunciado, razão pela qual não foi julgado.

A sessão do Júri Popular foi conduzida pela juíza de Direito Luana Campos, titular da unidade judiciária.

Emanuelly Falqueto | Comunicação TJAC