Projeto Radioativo ganha adesão de empresários de Cruzeiro do Sul

Desembargadora Regina Ferrari articula adesão de empresários do município ao projeto. Inicialmente 20 vagas foram garantidas para atender jovens que estão em situação de conflito com a lei

Durante a Semana do Judiciário no Juruá, a Coordenadoria da Infância e Juventude (CIJ), articulou a expansão das atividades do Projeto Radioativo para Cruzeiro do Sul, com o apoio da Associação Comercial e Empresarial (ACECZS) no município e da Polícia Civil.

A coordenadora da Infância e Juventude, desembargadora Regina Ferrari, acompanhada do magistrado da Comarca de Cruzeiro do Sul, Marlon Machado, e do delegado de Polícia Civil, Rômulo Carvalho, apresentou a iniciativa para Luiz Cunha, presidente da associação, que prontamente já articulou o início de diálogo com empresários, entre eles, André Bezerra dos Santos, também presente na reunião.

A Associação Comercial e Empresarial de Cruzeiro do Sul anunciou 20 vagas para contratação direcionada a jovens egressos do Instituto Socioeducativo. A desembargadora falou da importância da iniciativa e como ela tem contribuído ao oportunizar uma nova chance a esses jovens.

 


“São muitas as mazelas e dificuldades que a população enfrenta diante da falta de oportunidades. O projeto Radioativo nasceu dessa vontade enorme de permitir que esses adolescentes e jovens em conflito com a lei tenham uma nova chance, com o primeiro emprego, tendo um  novo caminho com perspectivas. Esse projeto já é uma realidade em Rio Branco, queremos muito que seja também aqui em Cruzeiro do Sul”, disse Regina Ferrari.

Delegado Rômulo parabenizou o TJAC pelo importante trabalho realizado pelo projeto Radioativo, e ressaltou que levar a iniciativa já existente em Rio Branco para a cidade de Cruzeiro do Sul, vai contribuir imensamente com a sociedade e impedir o reingresso desses jovens ao sistema de justiça.

O Radioativo foi criado 2018 pelo Tribunal de Justiça do Acre junto a Federação de Indústrias do Estado do Acre (FIEAC), com a participação de diversas entidades, empresas e instituições públicas parceiras, entre outros. E tem como objetivo disponibilizar qualificação profissional a adolescentes em situação de conflito com a lei e outras situações de vulnerabilidade social.

 

Andréa Zílio e Emanuelly Falqueto | Comunicação TJAC