Vernissage “Justiça em Cores” será realizado nesta quarta-feira, 24

A arte como instrumento de transformação social e expressão de tudo aquilo que não se pode traduzir em palavras

Um olhar diferente sobre o Poder Judiciário, expresso de forma criativa e emocionante. Esse é o convite feito pela servidora Nassara Pires para sua exposição “Justiça em Cores”. O vernissage ocorre nesta quarta-feira, dia 24, às 17h, no SESC/Centro.  

As composições projetam vivências, leituras, autoconhecimento e inquietações, uma vez que a arte tem colorido não só os pensamentos da artista, mas também inspirado sua forma de ver o mundo e rotina, o que resultou inclusive na ressignificação da imagem jurídica.

“Os quadros nasceram da minha necessidade, como cidadã e como operadora do direito, de mostrar um outro lado da Justiça, pois em um dado momento da nossa história, as pessoas utilizaram figuras como uma deusa, uma balança e uma espada para simbolizar a Justiça e isso de alguma forma trouxe um afastamento das pessoas e promover Justiça não tem nada a ver com esse distanciamento. A gente precisa, na verdade, acolher o jurisdicionado e a arte faz parte dessa perspectiva de humanização que eu acredito”, disse a servidora.

“Justiça em Cores” integra uma exposição coletiva de projetos selecionados pelo edital do SESC/AC do projeto Calenarte, criado para a difusão das artes plásticas locais. Quem for prestigiar o evento, também poderá conhecer as obras de Giulia Anastácio com sua exposição “DiversiArte” e do Luís Eduardo Ferreira com “Amor e Aquarelas”.  A entrada é franca.

“A Justiça é um ideal humano”, enfatiza Nassara. (Foto cedida)

Arte + Direito = Arto

Servidora pública, artista plástica e poetisa. Em meio à vida de “concurseira” e sonhos da vida adulta, essa mulher tem expressado sua paixão pelo universo artístico com intensidade em suas obras. Seu projeto atual é chamado Arto, resultado da união da arte com o direito.

A cada quadro, um pouco da sua identidade é retratada. Deste modo, é possível se surpreender ao notar como os afetos e atravessamentos performam nos traços e pinceladas dos 15 quadros da artista. Um universo diferente e complementar do que foi sua primeira exposição – “Pintando o 7” – realizada no ano de 2016: confira aqui!

Imersa nesse universo produtivo desde criança, sua forma de se conectar não se prende a estilos ou materiais específicos, assim a pintora conta que tem utilizado tinta acrílica e aquarela com mais frequência.

Ela fala sobre o seu processo de criação: “meu trabalho tem influência de pintores impressionistas, modernistas e contemporâneos. Eu sofria por não me encaixar, inclusive no mundo das artes. Até perceber que o desencaixe é ótimo sinal de uma vida artística sem limites”.

A exposição segue até o dia 22 de dezembro no SESC Centro, mas você também pode acompanhar mais do trabalho da Nassara pelas redes sociais: @arteedireito e @nnassarart.

Miriane Teles | Comunicação TJAC