Esjud prepara mesa-redonda para debater desenvolvimento sustentável

Evento está com as inscrições abertas e é voltado para profissionais da Justiça e comunidade jurídica.

Tema dos mais relevantes na atualidade será debatido pela Escola do Poder Judiciário (Esjud), com a mesa-redonda Desenvolvimento Sustentável: os desafios do dever do cuidado do Estado e da coletividade”. O evento está com as inscrições abertas até o dia 3 de setembro.

A atividade tem como público-alvo os profissionais da Justiça, mas é aberto à comunidade jurídica.

Para garantir participação, basta acessar o Portal da Esjud , em seguida Inscrições/Agenda.

Com nomes de destaque, a mesa-redonda será realizada no dia 8 de setembro (uma quarta-feira), das 15h às 17h (horário do Acre) ou 17h às 19h (horário de Brasília). O encontro será promovido pela plataforma Google Meet.

“Trata-se de temática que afeta a todos nós, por isso exige uma participação direta dos poderes constituídos, da sociedade civil organizada, de instituições e empresas. As pessoas, sem exceção, têm direito a um meio ambiente que seja ecologicamente equilibrado. Por isso, precisamos discutir mecanismos que concorram para ações corretas do ponto de vista ambiental, para uma economia mais sustentável e a uma sociedade mais justa, inclusiva e com maior qualidade de vida”, assinalou a desembargadora Regina Ferrari, diretora do Órgão de Ensino, acerca da iniciativa.

A política de sustentabilidade no âmbito do Poder Judiciário está prevista na Resolução nº 400 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A Agenda 2030 também contempla Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Palestrantes

Patrícia Rêgo – Doutoranda em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em parceria com o Centro Universitário U:VERSE e a Universidade de Alicante/Espanha. Mestra em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com área de concentração em Relações Internacionais. Especialista em Direito Processual Civil (2002), pela Universidade Cândido Mendes-UCAM Atualmente é Procuradora de Justiça do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), onde já atuou como procuradora-geral de Justiça, no biênio 2012/2013.

Mayara Longuini – Doutora e mestra em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, especialista em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). É professora de Direito da FAAP e membro do Núcleo Interdisciplinar de Professores. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa Estado e Economia no Brasil (vinculado ao Programa de Pós-graduação em Direito Político e Econômico do Mackenzie). Foi pesquisadora visitante da Berkeley Law – University of California. Desenvolve pesquisa na temática de Regulação Ambiental e Governança Climática.

Tatiana Carbone – Advogada, docente, doutoranda em Ciência Jurídica, mestra em Direito, coordenadora do Curso de Direito e Serviços Jurídicos da Faculdade Pitágoras – Rio Branco. Especialista em Direito Público, Direito Ambiental e Manejo de Recursos Ambientais, tutora presencial do SENAR. Secretária-geral da ABA/ACRE. Membro da Comissão Nacional de Mediação da ABA e vice-presidente da Comissão de Direito Ambiental e Agrário da OAB/AC.

Kelley de Oliveira – Doutoranda em Ciência Jurídica, mestra em Ciência Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Especialista em Direito Ambiental e Gestão Empresarial. Advogada. Professora da Faculdade da Amazônia Ocidental, leciona as disciplinas de Direito Internacional Público, Direito Internacional Privado, Direito Civil e Direito Urbanístico. Tem experiência na área de Direito Civil, Internacional, Ambiental, Trabalho e Tributário.

Ionara Andrade – Doutoranda em Ciência Jurídica, mestra em Letras (Linguagem e Identidade) pela Universidade Federal do Acre (Ufac). Possui especialização em Psicologia da Educação pela Faculdade Barão de Rio Branco (Uninorte-AC).  Atualmente, é professora da Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO) e da Secretaria de Estado de Educação do Acre.

Marcos Alexandre/Esjud | Comunicação TJAC