Tribunal de Justiça do Acre realiza segunda Reunião de Alinhamento Estratégico

O encontro, que reúne desembargadores, juízes e servidores-gestores, é um momento de avaliação dos resultados estratégicos das metas anteriormente planejadas pela instituição e alinhamentos para novos ciclos.

Nesta sexta-feira, 13, ocorreu no Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), a segunda Reunião de Alinhamento Estratégico (RAE). O encontro, que reúne desembargadores, juízes e servidores-gestores, é um momento de avaliação dos resultados estratégicos das metas anteriormente planejadas pela instituição e alinhamentos para novos ciclos.

Na abertura da atividade, que ocorreu virtualmente, a presidente do TJ acreano, desembargadora Waldirene Cordeiro, enfatizou sobre a finalidade da RAE, que é um balanço das metas alcançadas e perspectiva de novos objetivos, com vistas no aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.

Ela anunciou ainda, assinatura do termo de cooperação assinado entre o TJAC e o Poder Executivo para investimento em manutenção e reformas nas unidades do Poder Judiciário, e sobre o pagamento dos servidores referentes às especializações de classe.

“É um momento especial. Após várias tratativas, conseguimos o plano de investimento junto ao Poder Executivo. Meu olhar é focado no primeiro grau, mas reconhecendo que o segundo grau também tem suas necessidades. Estamos trabalhando para que consigamos melhorar ainda mais. Vamos continuar qualificando e medindo para garantir o aumento da qualidade dos nossos serviços, decisões e o aumento da eficácia do trabalho do Judiciário do Acre. Trabalho é o que não nos falta, e fé para alcançarmos nossos objetivos não nos faltará”, disse a desembargadora-presidente.

Apresentações

Na oportunidade, o juiz-auxiliar da Presidência, Leandro Gross, apresentou sobre o ranking da transparência, onde o Poder Judiciário tem avançado nos últimos anos, e o Sistema DataJud, usado para estudos estatísticos que permitem o diagnóstico da realidade do Poder Judiciário a fim de contribuir com a construção de políticas públicas que realmente garantam os direitos dos cidadãos que buscam solucionar seus conflitos por meio do sistema de justiça.

“O ciclo de 2015 trouxe uma curva de aprendizado. Recente, elaboramos um novo planejamento estratégico para o sexênio 2021/2026. Não trazíamos um portfólio de projetos, agora trazemos um novo para que os desembargadores, juízes e gestores, possam ter uma baliza com relação do que está escrito no planejamento e possa ser executado”, ressaltou.

Ele acrescentou que, para se compreender o que será feito no futuro, é necessário entender os indicadores do Planejamento Estratégico de 2015-2020.

“O objetivo é mostrar o que conseguimos de positivo nos cinco anos e o que não foi possível. E que, no novo ciclo, podemos resgatar essas pendências que ficaram tanto dos indicadores administrativos quanto da  parte jurisdicional”, acrescentou.

O encontro teve também apresentação, por parte das equipes da Diretoria de Gestão Estratégica (DIGES) e do Núcleo de Estatística e Gestão Estratégica (NUEGE), sobre a evolução do orçamento e metas dos indicadores 2015-2020.

Ana Paula Batalha da Silva | Comunicação TJAC