Administração visita obras na Cidade da Justiça de Cruzeiro do Sul

A reforma é feita em parceria com o Governo do Estado do Acre, mediante Termo de Cooperação. A obra, estimada em R$ 1,5 milhão, iniciou em abril deste ano com previsão de entrega para final de setembro.

A presidente do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), desembargadora Waldirene Cordeiro, acompanhada do corregedor-geral da Justiça, desembargador Elcio Mendes, visitou nesta segunda-feira, 8, as obras na Cidade da Justiça de Cruzeiro do Sul.

O prédio da administração do Foro, auditório e do Tribunal do Júri passam por uma grande reforma com a finalidade de oferecer melhores condições de trabalho as magistradas, magistrados, servidoras, servidores e população em geral.

A reforma é feita em parceria com o Governo do Estado do Acre, mediante Termo de Cooperação. A obra, estimada em R$ 1,5 milhão, iniciou em abril deste ano com previsão de entrega para final de setembro.

“O espaço está sendo melhorado. Ficará um lugar mais acolhedor tanto para o nosso público interno quanto para os nossos jurisdicionados.  Agradecemos o apoio que o chefe do Executivo tem dado ao Poder Judiciário. São parcerias como essas, que fortalecem a prestação jurisdicional. As reformas de prédios do Judiciário são iniciativas que se inserem na ação estratégica” ressaltou a desembargadora-presidente.

O desembargador-corregedor visitou todo o espaço acompanhado da desembargadora-presidente e destacou sobre a importância das ações para a população do Juruá.

“Essas ações abrangem a Cidade da Justiça de Cruzeiro do Sul a uma população que é muito merecedora. Estamos ansiosos para a entrega desses espaços revitalizados. Quem ganha com isso é a população”, disse.

Os desembargadores visitaram os prédios acompanhado da juíza de Direito Adamarcia Machado, que os atualizou sobre o andamento das obras. Ela agradeceu a administração do TJAC pela melhoria da prestação jurisdicional. O juiz de Direito auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça, Lois Arruda, também acompanhou a visita.

Com a revitalização, os prédios ficarão com uma estrutura moderna, segura e mais adequada à prestação dos serviços forenses, além de obedecer aos critérios de acessibilidade e mobilidade para atender os deficientes.

 

Ana Paula Batalha da Silva | Comunicação TJAC