Colo de amor: acolhimento e acalanto à crianças em abrigo

O projeto Colo de Amor dedica momentos de atenção e carinho às crianças que estão em abrigo, e proporcionando acolhimento a quem foi abandonado ou sofreu maus tratos

“Colo é sagrado onde mal nenhum pode entrar. É ninho, local seguro de consolo e recuperação de forças. Colo é perpetuar uma mensagem palpável de bondade e de amor”. Esse é um trecho de um texto de Marcos Piangers, sobre o significado do colo na vida dos filhos.

No domingo, 8, muitos filhos estiveram com suas mães e fizeram as homenagens e celebrações pelo dia atribuído a elas. Mas algumas mães fizeram diferente, elas dedicaram algumas horas de seu tempo para ir até as crianças que não estão com suas genitoras e hoje moram no Educandário Santa Margarida. O motivo: dar um pouco de colo, carinho e atenção, contribuindo para um momento que é um verdadeiro acalanto na vida desses pequenos.

A ação faz parte do projeto Colo de Amor, desenvolvido pelo Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), por meio da Coordenadoria da Infância e Juventude (CIJ). As voluntárias se somaram à equipe do Educandário para também servirem o almoço especial para as crianças, doado por uma outra mãe, a delegatária do 1º Ofício do Registro de Imóveis de Rio Branco, Fabiana Faro. 

Participaram da ação junto a desembargadora Regina Ferrari, as magistradas Olívia Ribeiro e Andréa Brito, que foi acompanhada de sua mãe Iriceia Silva e sua filha Yasmin Brito. Também, a coordenadora do Primeiro Conselho Tutelar, Lucinaira Carvalho, Maria Lúcia Rodrigues, Mara Rúbia Maia, e a jovem, Jhenyffer Andrade.

Atualmente o Educandário Santa Margarida possui 25 crianças na creche, e um adolescente de 12 anos, e mais 13 bebês no berçário, alguns aptos para adoção e outros à espera da tentativa de reinserção ao lar de origem.

Mães por opção

Além das mães que se dedicam como voluntárias por alguns momentos ao projeto Colo de Amor, o Educandário tem em sua equipe pessoas com verdadeiras histórias de muita dedicação e amor, que optaram em ser verdadeiras mães das crianças que passam pelo local, e de alguns que já vivem há anos ali.

Essa é a história de Antonia Moreira, 60 anos. Ela é mãe de três filhos, todos adultos, e trabalha há 31 anos no Educandário, e em todo esse tempo, se dedicou a cuidar de Lucas. A administração do lugar estima que ele chegou com três anos, pois nenhum registro foi encontrado com a criança, que hoje já é um adulto de 30 anos, portador de necessidades especiais.

Lucas não fala, não enxerga e anda somente com ajuda. A dedicação de Antonia no cuidado com ele é de um sentimento materno. Portanto, passar o domingo no Educandário, segundo ela, é como estar celebrando a data com um de seus filhos.

“Eu me sinto muito grata em trabalhar aqui. Tem dias que só vou em casa dormir. Gosto muito de cuidar deles, em especial do Lucas. Tem que gosta e amar o que faz para cuidar de crianças como o Lucas”, diz.

Outra mãe que é conhecida por sua dedicação, é Nice Pinto, de 33 anos, mãe de um menino de 8 anos. Ela trabalha no Educandário há um ano e atende e cuida somente das crianças com necessidades especiais.

“Eu amo o que eu faço. Amo todos eles, mas gosto muito de cuidar do Elton, que é autista. Quando eles adoecem a gente não sai daqui. Já fiquei oito dias direto aqui sem ir para casa. Eles dependem totalmente da gente e não posso falhar com eles” comenta.

Assim foi esse dia das mães para essas mulheres, funcionárias ou voluntárias do Educandário, que se encontram em histórias de dedicação, amor e cuidado. E a atual Administração do TJAC, presidida pela desembargadora Waldirene Cordeiro, continua sua atuação, por meio da CIJ, na promoção de ações que convergem com o Artigo 227, da Constituição Federal, que prevê a proteção integral à criança e ao adolescente, e com o Pacto Nacional Pela Primeira Infância, firmado entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e os diversos atores que integram a rede de proteção à infância no Brasil.

Andréa Zílio | Comunicação TJAC