Poder Judiciário acreano adere campanha de prevenção ao suicídio

Gerência de Qualidade de Vida, da Diretoria de Gestão de Pessoas, organizou atividades, para prevenir, orientar e acompanhar servidores, magistrados e seus familiares que, eventualmente, apresentem sintomas depressivos

O dia 10 de setembro é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Para marcar a data, o Tribunal de Justiça do Acre, por meio da Gerência de Qualidade de Vida (Gevid), da Diretoria de Gestão de Pessoas (DIPES), organizou atividades para prevenir, orientar e acompanhar servidores, magistrados e seus familiares que, eventualmente, apresentem sintomas depressivos que possam levar ao suicídio.

Dentro da programação, o setor organizou distribuição de corações com frases referentes ao Setembro Amarelo, vídeo oficial com mensagem de autoajuda, dicas de saúde da psicóloga e assistente social, no qual serão encaminhadas para todos os e-mails institucionais, distribuição de girassóis em Drive Thru, distribuição de chás de Capim Santo, que tem como objetivo controlar a ansiedade, entre outras ações.

Além das atividades centralizadas da GEVID, haverá dicas preventivas nas redes sociais do Tribunal de Justiça do Acre e intranet e a tradicional iluminação em amarelo da sede-administrativa e Palácio da Justiça. A Presidência também promoverá o Dia D de prevenção ao suicídio, na próxima sexta-feira, onde o público interno será convidado a utilizar vestimenta em amarelo ou branco para mostrar a importância da prevenção.

Setembro Amarelo: campanha e origem

A campanha teve início no Brasil em 2015, em conjunto com o Centro de Valorização da Vida, Conselho Federal de Medicina e Associação Brasileira de Psiquiatria, com a proposta de associar a cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro). O objetivo é conscientizar sobre a prevenção do suicídio e dar visibilidade à causa. Ao longo dos últimos anos, escolas, universidades, entidades do setor público e privado e a população de forma geral se envolveram neste movimento.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio mata mais brasileiros do que doenças como a AIDS e o câncer.

O Setembro Amarelo começou nos EUA, quando o jovem Mike Emme, de 17 anos, cometeu suicídio, em 1994. Seus pais e amigos não perceberam que o jovem tinha sérios problemas psicológicos e não conseguiram evitar sua morte.

Mike restaurou um automóvel Mustang 68, pintando-o de amarelo. Por conta disso, ficou conhecido como “Mustang Mike”. No dia do velório, foi feita uma cesta com muitos cartões decorados com fitas amarelas. Dentro deles tinha a mensagem “Se você precisar, peça ajuda.” A iniciativa foi o estopim para um movimento importante de prevenção ao suicídio, pois os cartões chegaram realmente às mãos de pessoas que precisavam de apoio. Em consequência dessa triste história, foi escolhido como símbolo da luta contra o suicídio, o laço amarelo.

Ana Paula Batalha da Silva | Comunicação TJAC