Vernissage “Frida, El Mito Viviente” é aberto na Sede Administrativa do TJAC

Exposição com obras de Luís Eduardo Ferreira acontece no Hall das Câmaras Cíveis e Criminal e conta a história e o universo místico da revolucionária pintora mexicana.  

“No contexto da Justiça do Terceiro Milênio, que temos colocado em prática nesta gestão, magistrados e servidores estão em sintonia e sincronicidade com a realidade; vivenciando os elementos culturais e sociais a sua volta”, ressaltou a presidente do Tribunal de Justiça do Acre, desembargadora Cezarinete Angelim, ao abrir, na manhã desta quinta-feira (18), a mostra “Frida, El Mito Viviente”, do artista plástico rio-branquense Luís Eduardo Ferreira. O vernissage, que conta a história e o universo místico da revolucionária pintora mexicana, estará no Hall das Câmaras Cíveis e Criminal do TJAC (Sede Administrativa do TJAC) até o dia 20 de março.

Para a abertura de mais este evento cultural chancelado pelo Judiciário Acreano, compuseram o dispositivo de honra, além da presidente do Tribunal de Justiça do Acre, os desembargadores Regina Ferrari, corregedora geral da Justiça, Eva Evangelista, decana da Corte, e Pedro Ranzi. Assessores, diretores, gerentes e demais servidores da Justiça Estadual também prestigiaram o ato.

vernissage_luis_eduardo_tjac_10

Após saudar o dispositivo de honra, o artista e a todos os presentes, a desembargadora-presidente do TJAC afirmou que a cada exposição realizada nos prédios do Judiciário Acreano, aumenta-se a convicção da necessidade de se continuar incentivando a cultura e a arte no âmbito do Estado do Acre. “De um lado, porque valorizamos os nossos artistas, dando-lhes a oportunidade e o espaço para expor suas obras. Por outro lado, porque estamos trazendo mais cores, beleza e vida aos nossos ambientes de trabalho”, explicou.

vernissage_luis_eduardo_tjac_7

Segundo a desembargadora Cezarinete Angelim, o contato com a manifestação artística eleva a sensibilidade e percepção das pessoas. “No contexto do Poder Judiciário, que lida, a todo momento, com o ser humano, com as histórias de vida, é fundamental abrir-se aos fenômenos sociais e à arte”.

Para o artista plástico Luís Eduardo Ferreira, mostrar seus quadros na Sede Administrativa do Poder Judiciário Acreano é um motivo de muito orgulho. “É um prazer ter sido convidado pelo Tribunal de Justiça para poder expor as minhas obras, fazendo essa imersão no mundo dessa grande pintora mexicana. É um ponto muito positivo da Justiça”.

vernissage_luis_eduardo_tjac_6

Sobre sua mostra, Luís Eduardo revela que fez uma imersão na vida da pintora mexicana Frida Kahlo, “que traz dentro de seus quadros dor e ao mesmo tempo poesia, momentos pelos quais ela passou durante sua vida, que não foi fácil. Ela que, acamada (em decorrência de um acidente), se descobriu uma pintora, uma artista, retratando seu próprio sofrimento em suas obras. Uma pintora revolucionária que lutou muito para poder mostrar ao mundo as suas obras – e conseguiu”.

Ainda durante a abertura do vernissage de Luís Eduardo, o público presente foi brindado com a performance “Frida in Fases”, do grupo Orejanas, composto pelas atrizes Amanda Graciele, Mara Santos, Mariane Salomão, Mariana Farias, Alessandra Alves e Evânia Ferraz, acompanhadas pelo músico David Menezes.

O artista

vernissage_luiz_eduardo_tjacNatural da Cidade de Rio Branco-AC, Luís Eduardo Ferreira, 20 anos, iniciou sua trajetória artística de exposições no ano de 2014, expondo individualmente na Biblioteca da Floresta, na Capital Acreana, 20 obras surrealistas a lápis e aquarela. Ele revela que a pintura, que inicialmente era um hobby em sua vida, foi ganhando personalidade “através do apoio do artista plástico Rivasplata”.

As exposições

“Frida, El Mito Viviente” é o terceiro vernissage promovido pela atual Administração do TJAC. Em novembro do ano passado, por ocasião da Campanha Novembro Azul, o artista plástico acreano Bab Franca transformou o ambiente do Hall das Câmaras Cíveis e Criminal do TJAC em um universo de tons de índigo, verde e amarelo, revelando uma profusão de símbolos e elementos da natureza e da cultura amazônica.

O mesmo Hall das Câmaras Cíveis e Criminal abrigou, no período de 19 de janeiro a 17 deste mês, a exposição “Magia da Floresta” do xapuriense Clementino Almeida, que também busca na natureza e nos personagens típicos da região a inspiração para compor telas que retratam desde cenas do cotidiano indígena à riqueza da fauna e flora e os animais lendários da mitologia popular. Hoje, a exposição “Magia da Floresta” se encontra aberta no Fórum Criminal.

Postado em: Notícias | Tags: Sem tags

Fonte: Ex. DIINS - Diretoria de Informação institucional Atualizado em 18/02/2016