TJAC lança campanha institucional contra Dengue, Chikungunya e Zika Vírus

Objetivo é trazer esclarecimentos a magistrados, servidores, colaboradores e à população, além de conscientização e prevenção das doenças.

Preocupada com a situação emergencial provocada pela Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, a atual gestão do Tribunal de Justiça do Acre decidiu lançar uma campanha de esclarecimento, conscientização e prevenção da doença. A iniciativa vai ao encontro da perspectiva da alteridade (colocar-se no lugar do outro), do “cuidar e servir”, adotada pela Administração. Ao mesmo tempo, trata-se da humanização do Judiciário, que tem sido colocada em prática pela gestão.

“Queremos envolver o máximo de pessoas nessa causa que diz respeito a todos nós. Ao nosso público interno, pois somos mais de 2 mil famílias, entre magistrados, servidores, colaboradores, e também ao público externo, que são os destinatários de nossos serviços, os cidadãos”, declarou a presidente do TJAC, desembargadora Cezarinete Angelim.

“Precisamos nos unir, pois essa é uma situação que atinge a todos. É uma questão de Estado, um problema que só resolveremos se dermos as mãos e nos conscientizarmos de que cada um deve fazer a sua parte”, completou a desembargadora-presidente.

Equipes das Diretorias de Informação Institucional (Diins), de Gestão Estratégica, de Logística, além da Presidência, irão desenvolver conjuntamente ações, e se preciso até uma força-tarefa, que possam contribuir para intensificar a campanha no Judiciário Estadual.

A Diins fará um trabalho de comunicação especial, trazendo matérias e reportagens com todas as informações necessárias sobre cada uma das doenças, principalmente acerca da necessidade de prevenção e os cuidados a serem adotados.

A Presidência da República editou no dia 29 de janeiro deste ano a Medida Provisória nº 712, que dispõe sobre a adoção de medidas de vigilância em saúde quando houver a situação iminente de perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor do Vírus da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus. O governador do Acre, Tião Viana, decretou situação de emergência em relação às doenças.

A Dengue

A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente no mundo.

Transmissão

A principal forma de transmissão é pela picada dos mosquitos Aedes aegypti. Há registros de transmissão vertical (gestante – bebê) e por transfusão de sangue. Existem quatro tipos diferentes de vírus do dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.

Sintomas
A infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele.

Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Na fase febril inicial da doença pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, entre outros sintomas.

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde.

Tratamento

Não existe tratamento específico para dengue. O tratamento é feito para aliviar os sintomas Quando aparecer os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde mais próximo, fazer repouso e ingerir bastante líquido. Importante não tomar medicamentos por conta própria.

A Chikungunya

A Febre Chikungunya é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953.

Sintomas

Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. O mosquito adquire o vírus CHIKV ao picar uma pessoa infectada, durante o período em que o vírus está presente no organismo infectado. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas.

Tratamento

Não existe vacina ou tratamento específico para Chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

Zika Vírus

Estimativa dos órgãos responsáveis dão conta que 4,5 milhões de casos de zika estão previstos para as américas em 2016, além de já ter sido confirmada a manifestação da enfermidade em 23 países. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um terço deles ocorrerão no Brasil. Já foi detectada em 20 estados do País, mas não no Acre, razão pela qual é tão importante a prevenção.

O médico Paulo Gadelha, presidente da Fiocruz, alertou que “estamos enfrentando talvez um dos maiores desafios de saúde pública ao longo dessas últimas décadas. Diria deste século”.

Como acontece a transmissão

O Zika Vírus pode ser transmitido por um inimigo bem conhecido do brasileiro, o mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, mas também por outros mosquitos.

Sintomas

O problema é que a zika geralmente é silenciosa (80% das pessoas não apresentam sintomas), tendo sido oficialmente relacionada a duas mortes no País.

Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Formas graves e atípicas são raras, mas quando ocorrem podem, excepcionalmente, evoluir para óbito, como identificado no mês de novembro de 2015, pela primeira vez na história.

Deve ser observado o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por vírus Zika e buscado um serviço de saúde para atendimento, caso necessário.

Principais riscos

Todos correm riscos, mas os principais riscos são para grávidas e bebês em gestação: o Ministério da Saúde já confirmou a ligação entre zika e microcefalia. Os registros da malformação — bebês nascem com crânio menor que o normal — saltaram de 147 em 2014 para 1.248 até 30 de novembro do ano passado.

Tratamento

Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus Zika. Também não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados.

Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico (AAS) e outros anti-inflamatórios, em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas descritas nas infecções por outros flavivírus. Os casos suspeitos devem ser tratados como dengue, devido à sua maior frequência e gravidade conhecida.

 


O Combate a essas três doenças

A melhor forma de se evitar são os mesmos cuidados com a dengue: combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

Assim como a Dengue e a Chikungunya, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos nas residências, vizinhança e áreas próximas ao local de atendimento dos pacientes.

Informações

Para mais informações ou auxílio, entre em contato com a Gerência de Qualidade de Vida (Gevid) do TJAC, por meio do número de telefone (68) 9603-5383 e (68) 9991-3305.

Também pode entrar em contato:

  • Ministério da Saúde – Telefone 136
  • Secretaria de Saúde do Estado do Acre (Sesacre): (68) 3223-4266 e (68) 3223-1302
  • Secretaria de Saúde do Município (Semsa): (68) 3213-2516

Fontes: Com informações do Ministério da Saúde, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Fiocruz.

Cartaz_640x460

Postado em: Notícias | Tags:, ,

Fonte: Ex. DIINS - Diretoria de Informação institucional Atualizado em 03/02/2016