TJAC está integrado a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP)

Desde a última semana o Tribunal de Justiça do Acre está integrado à Rede de Ensino e Pesquisa (RNP), organização social sem fins lucrativos, pioneira no acesso à Internet, organizada e presente em todas as capitais do Brasil através dos  pontos de presença (PoP).

Com a novidade, todo peticionamento eletrônico feito entre o TJAC, Ministério Público, Procuradoria-Geral do Estado e Defensoria Pública está acontecendo via RNP, desafogando o acesso à Internet do Poder Judiciário.

A rede interconecta mais de 500 instituições de educação superior e de pesquisa. São aproximadamente três milhões e meio de usuários utilizando a infraestrutura de redes avançadas para comunicação, computação e experimentação, o que garante a integração entre o sistema de ciência e tecnologia, educação superior, saúde e cultura.

A RNP é mantida pelos ministérios da Ciência e Tecnologia (MCT), da Educação (MEC) e da Cultura (MinC), e opera a rede Ipê com Pontos de Presença em 27 unidades da federação.

No Acre, a Ufac hospeda o PoP-AC desde 1996, tendo suas atividades voltadas a atender as instituições qualificadas conforme a política de uso aceitável do maior backbone (rede principal por onde passam os dados dos clientes da internet) acadêmico brasileiro,  disponibilizando conectividade com a Internet global e as redes acadêmicas do mundo, ininterruptamente.

O Tribunal de Justiça do Estado foi convidado a principio pela Ufac, para fazer parte da RNP, em meados de 2011.

Após todas as conversas técnicas entre o TJAC e Ufac, também foram iniciadas conversas com a Secretaria de Modernização do Estado (Semti), objetivando o conhecimento de especificações técnicas sobre os equipamentos necessários para a ligação do TJAC à RNP.

Após todas as conversas e aquisições de equipamentos, o TJAC foi ligado fisicamente à RNP, através de Fibra Ótica.

Na última semana, com a entrada dos demais órgãos na rede, foi iniciado o acesso via RNP.

O que muda

Anteriormente, os órgãos parceiros (MPAC, PGE, DEFENSORIA) utilizavam a Internet para ter acesso ao portal e-SAJ. Tudo era feito via Internet, inclusive o envio e recebimento de petições iniciais, intermediárias, etc.

A partir da integração, via RNP, esses órgãos ganham em velocidade porque utilizam outro canal e agora não concorrem mais via Internet para realizar suas ações.

Sobre a RNP

A atuação da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa começou em maio de 2010, quando a RNP assinou um acordo com a empresa de telecomunicações Oi, que se comprometeu a disponibilizar parte de sua infraestrutura de fibras ópticas para o uso não comercial pela organização.

No mesmo ano, a RNP iniciou a implantação da nova geração da rede acadêmica por ela operada. O acordo foi resultado de um compromisso firmado com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), na época da compra da Brasil Telecom (BrT).

Para autorizar que a Oi adquirisse a BrT, a Anatel estabeleceu que a nova companhia deveria investir em P&D, ao longo de 10 anos, valores correspondentes a 100% do recolhimento feito anualmente ao Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funtell), o que equivale hoje a cerca de R$ 140 milhões.

A RNP tem como missão promover o uso inovador de redes avançadas no Brasil. Por isto, além de prover conectividade, busca também:

  • Planejar e empreender projetos de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) para o desenvolvimento e uso de aplicações e serviços inovadores;
  • Promover a disseminação de tecnologias através da implantação, em nível de produção, de novos protocolos, serviços e aplicações de redes, da capacitação de recursos humanos e da difusão de informações;
  • Promover o desenvolvimento tecnológico de novos protocolos, serviços e aplicações de redes;
  • Prover serviços de infraestrutura de redes IP (Protocolo Internet) avançadas para atividades de pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico, educação e cultura.

Backbone

O backbone (rede principal por onde passam os dados dos clientes da Internet) da RNP, denominado de Rede Ipê, tem características fundamentais no aporte de novas tecnologias em redes alcançadas para atender ações acadêmicas e científicas, interligando as diversas instituições federais de ensino superior e institutos de pesquisa, com o objetivo de fornecer infraestrutura em telecomunicações, apoiando ações em projetos de pesquisa, ciência e tecnologia, possibilitando a integração de grupos de pesquisa em todo o Brasil, além de  comunidades acadêmicas e científicas mundiais.

Para a Ufac e seus parceiros, que desenvolvem  conjuntamente atividades para o desenvolvimento do ensino superior e da pesquisa, essa iniciativa  representa um avanço significativo na qualidade e disponibilidade dos recursos de infraestrutura em tecnologias da informação para redes computacionais avançadas, de grande capacidade, permitindo dispor de serviços inovadores para integração entre diversas comunidades científicas do Brasil e do mundo.

Com a implementação dessas novas tecnologias multigigabit, a filosofia e a metodologia de uso em serviços baseados em plataformas na rede Internet devem ser alterados consubstancialmente, pois a rede do conhecimento volta suas atividades para programar novas infraestruturas para construção de redes colaborativas para o desenvolvimento das ciências.

Assim, ocorre o deslocamento das limitações não mais pela disponibilidade de infraestruturas em telecomunicações, mas para a construção de novos conceitos no uso inovador das telecomunicações e a descoberta de novas aplicações para o uso da Internet.

Postado em: Notícias | Tags: Sem tags

Fonte: Atualizado em 24/06/2015