Juízes Substitutos assumem unidades judiciárias durante período de férias de Titulares

Por meio de portarias conjuntas editadas nas últimas semanas, a Presidência e a Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Acre distribuíram os Juízes de Direito Substitutos recentemente empossados para atuarem em unidades judiciárias de Rio Branco e do interior durante o período de férias regulamentares dos Juízes Titulares.

Confira aqui a lista atualizada de Comarcas e Varas do Estado com a indicação de seus respectivos Juízes.

Sobre a experiência de estar assumindo, pela primeira vez, uma unidade judiciária, os magistrados recém-empossados falaram à Agência TJAC.

“Considero uma experiência importante, sobretudo porque os processos são movimentados efetivamente, havendo continuidade na prestação jurisdicional. Além disso, é uma oportunidade rica porque passo a conhecer os detalhes sobre o funcionamento das varas, tanto em termos de conteúdo administrativo como de gestão de pessoas”, disse a Juíza Substituta Ivete Tabalipa, que está na 1ª Vara Cível de Rio Branco, substituindo o titular, Juiz de Direito Laudivon Nogueira.

“Vejo como um desafio conhecer a vida prática do juiz, como a análise dos processos, a realização de audiências. É uma oportunidade também de ver como funcionam os cartórios, a rotina da escrivanias, enfim, os vários procedimentos. Posso dizer que estou aprendendo a administrar. Conhecer a rotina judiciária tem sido uma experiência surpreendentemente boa, válida, que contribui no meu crescimento dentro da Magistratura”, comentou a Juíza Substituta Adamarcia Machado Nascimento, que está na 3ª Vara Cível de Rio Branco, substituindo o titular, Juiz de Direiro Lois Arruda.

"É muito interessante, já que é uma Vara nova, informatizada, com servidores animados e uma Juíza muito sensível, vocacionada e atuante. Tem sido uma oportunidade de muita aprendizagem, mas espero acrescentar algo ao excelente trabalho que tem sido desenvolvido. O Tribunal está de parabéns pela iniciativa”, avaliou o Juiz Substituto Hugo Barbosa Torquato Ferreira, que está na Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Comarca de Rio Branco, substituindo a titular, Juíza Olívia Maria Alves Ribeiro.

 “É um processo de fortalecimento para aplicabilidade da Justiça. É uma forma de me relacionar com a realidade da carreira pela qual optei. Por isso é necessário aprender a lidar com as circunstâncias e problemas diversos que enfrentarei no dia-a-dia da prática jurídica. Agradeço ao Tribunal por essa oportunidade, uma vez que com essa experiência, me sentirei mais segura para cumprimento de minha vocação”, declarou a Juíza Substitua Maria Rosinete dos Reis Silva, que está na 1ª Vara Criminal de Rio Branco, substituindo o titular, Juiz de Direito Djalma.

“Essa é a grande oportunidade que estava faltando, esse contato direto com a dinâmica do Judiciário, como a condução de audiências. É uma prática indispensável, que me ensina e me prepara ainda mais, diminuindo as dificuldades que, sabidamente, enfrentarei no meu dia-a-dia como magistrado”, disse o Juiz Substituto Gustavo Sirena, que está na Vara de Execuções Penais de Rio Branco, substituindo a titular, Juíza de Direito Maha Manasfi.

“Foi uma idéia excelente do Tribunal, visto que é uma forma de adquirir a prática judiciária. Embora a teoria seja muito importante, a realidade é bem diferente, são muitos e, às vezes, inusitados, os problemas das pessoas com os quais lidamos e, maior ainda, a nossa responsabilidade em julgá-los. Muito válido esse momento, porque conheço o fluxo de processos e fico em contato direto com o movimento da Vara, do Judiciário”, expôs o Juiz Substituto Luis Gustavo Alcalde Pinto, que está na 1ª Vara da Família de Rio Branco, substituindo o titular, Juiz de Direito Pedro Luís Longo.

 “O mais importante com essa iniciativa do Tribunal é que passo a conviver diretamente com a sociedade. Isso me traz mais amadurecimento, mais experiência. Desse modo, percebo de perto os problemas e reclamos da população, como uma oportunidade que tive de falar sobre drogas em uma escola. Somente na prática, podemos aplicar nosso conhecimento teórico. Apenas com a prática podemos cumprir nosso principal papel que é a pacificação social”, considerou o Juiz Substituto Manoel Simões Pedroga, que está na Vara Criminal de Sena Madureira, substituindo a titular, Juíza de Direito Thaís Queiroz Abou Khalil.

“Esta experiência é ímpar, primeiro porque vejo casos concretos que me permitem decidir da melhor maneira possível e, depois, porque é uma forma de o trabalho não parar, com as férias do juiz titular. Para mim, de toda prática que tenho acompanhado, a mais importante é o Projeto Cidadão, que foi recentemente realizado em Assis Brasil, já que é um meio de as pessoas mais distantes, mais carentes alcançar a Justiça, o conhecimento e efetivação de seus direitos”, afirmou a Juíza Substituta Joelma Ribeiro Nogueira, que está na Vara Cível de Brasiléia, substituindo titular, Juiz de Direito Leandro Leri Gross.

 

Postado em: Notícias | Tags: Sem tags

Fonte: Publicado em 16/07/2009