Exposição do artista plástico Clementino Almeida é aberta na Sede do Tribunal de Justiça

Mostra com obras do pintor xapuriense acontece no período de 19 de janeiro a 12 de fevereiro no Hall das Câmaras Cível e Criminal.

“Magia da Floresta” é o tema da exposição do artista xapuriense Clementino Almeida de Lima, aberta pela desembargadora-presidente Cezarinete Angelim, na manhã desta terça-feira (19), no Hall das Câmaras Cível e Criminal na sede do Tribunal de Justiça do Acre. A iniciativa vai ao encontro de um dos objetivos da atual gestão do TJAC, que é a transformação das unidades e espaços do Poder Judiciário Acreano em ambientes mais acolhedores e com maior humanização.

Para a abertura do vernissage, que vai até o dia 12 do mês que vem, compuseram o dispositivo de honra, além da presidente do Tribunal de Justiça do Acre, os desembargadores Eva Evangelista, decana da Corte, Pedro Ranzi e Maria Penha. Assessores, diretores, gerentes e demais servidores do Poder Judiciário Estadual também prestigiaram o evento.

vernissage_clementino_almeida_tjac_10

Falando aos presentes, Cezarinete Angelim explicou que a exposição (“Magia da Floresta”) que ora estava sendo aberta não poderia ter outro nome, “pois traz os matizes e as nuances da nossa fauna e flora; da geografia do nosso contexto amazônico, e da rica história de nosso povo”.

Para a desembargadora-presidente, a profusão de cores, bem delineadas pelo artista xapuriense Clementino Almeida traduz um verdadeiro poema. “As cores da pintura, tal qual a beleza dos versos, são chamarizes que seduzem os nossos olhos e enternecem a nossa alma”, acrescentou.

Ao final, a presidente da Corte de Justiça Acreana asseverou ser a exposição, também, uma forma de valorizar os artistas locais e disseminar a cultura, “fundamental para a percepção do nosso ‘ser e estar no mundo’ dos nossos sentimentos e valores”.

Por sua vez, o artista parabenizou pela iniciativa do Tribunal e agradeceu a atual administração pelo espaço e pela oportunidade de abordar “as mais diversas formas de manifestações do modo de vida da nossa região, a riqueza dos povos da floresta em geral, os ribeirinhos, a fauna e a flora Amazônica, as lendas, o folclore regional, numa mensagem que vem lá de dentro da própria floresta”.

Após sua explanação, Clementino Almeida chamou a atenção dos presentes quando, ao vivo e em poucos minutos, pintou, em sua percepção artística, a deusa Têmis, segundo a história, uma divindade grega por meio da qual a justiça é definida, no sentido moral, como o sentimento da verdade, da equidade e da humanidade.
vernissage_clementino_almeida_tjac_14

O artista

Clementino Almeida de Lima, 32 anos, é filho de Selva e José, nasceu no Seringal Bom Lugar, em Xapuri –AC. Desenha desde os três anos de idade, quando brincava no fogão à lenha de sua mãe, utilizando materiais da floresta como carvão e urucum.

Aos sete anos, quando teve a oportunidade de fazer o curso básico de desenho pelo Instituto Universal Brasileiro, passou a ter contato com os livros didáticos relacionados à arte. A partir de então, começou a desenhar cenários de peças teatrais e desfiles comemorativos das escolas de sua cidade.

Participou de exposições coletivas com os artistas de Xapuri, desenvolveu trabalhos publicitários para o Governo do Estado e ministrou oficinas de desenhos para crianças e jovens do ensino fundamental. Clementino reside em Rio Branco desde 2005, aonde busca estudar e se inserir no mercado das artes plásticas. Integra o grupo de artistas urbanos, atuando em parques, feiras e escolas.

Postado em: Notícias | Tags:

Fonte: Atualizado em 19/01/2016