Coordenadoria Estadual das Mulheres discute parcerias com o SEST-SENAT

A partir de agora, haverá a elaboração de termos de cooperação técnica, destinados a fortalecer o trabalho de parceria das instituições.

A Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv) celebrou nesta semana, novas parcerias com o Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT)A reunião realizada por videoconferência teve a presença da desembargadora Eva Evangelista, titular da Comsiv, da diretora, da representante do SEST-SENAT, Maria do Socorro e da advogada voluntária e apoiadora da campanha, Gracileidy Bacelar.

Convidada para participar da agenda, a desembargadora Eva Evangelista assinalou a relevância da iniciativa. “Gostaria de lhes agradecer por este honroso convite e pela oportunidade de constituirmos  uma conjugação de esforços que convergem para a defesa da sociedade e da cidadania”, afirmou. A decana da Corte de Justiça Acreana ressaltou que o SEST-SENAT possui uma capilaridade que permitirá ampliar o horizonte das ações sociais do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), com profissionais qualificados em diversas áreas, como Psicologia, Serviço Social e Odontologia.

Ao colocar-se à disposição do TJAC, Maria do Socorro lembrou que a Instituição também atua em Educação, Esportes, Cultura e Lazer, abrangendo grupo heterogêneo de trabalhadores, como caminhoneiros, rodoviários, aeroviários, profissionais de cargas e transportes, além dos seus familiares. Já Gracileidy Bacelar disse que “nunca houve nada nesse sentido entre o SEST-SENAT e o Judiciário Acreano”. Segundo ela, o Tribunal não apenas julga processos, mas promove “a restauração das famílias”, por meio dos programas sociais.

A partir de agora, haverá a elaboração de termos de cooperação técnica, destinados a fortalecer o trabalho de parceria das instituições.

Sinal Vermelho e convite

As representantes do SEST-SENAT manifestaram apoio à campanha Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica, que conta com a participação direta das farmácias como canal para as mulheres pedirem socorro. Ao fazer um X vermelho na mão e se dirigir a uma drogaria, a vítima será recebida por um farmacêutico ou atendente, o qual acionará a polícia.

A ação foi idealizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), com o engajamento dos tribunais de todo País.

A desembargadora Eva aproveitou a ocasião para convidar oficialmente a instituição parceira a integrar a Rede de Proteção à Mulher. O SEST-SENAT já passará a compor as próximas reuniões do colegiado.

Postado em: Galeria, Notícias | Tags:,

Fonte: GECOM Atualizado em 07/07/2020