BB libera R$ 361 mil para obras do Palácio da Justiça

O superintendente regional do Banco do Brasil em exercício, Ronaldo Freitas e a gerente de contas públicas do Banco, Marina Gaia, estiveram nesta quinta-feira no Tribunal de Justiça do Acre para comunicar oficialmente ao presidente da corte, desembargador Samoel Martins Evangelista e ao Corregedor Geral da Justiça, desembargador Arquilau Melo, a aprovação da segunda etapa do convênio entre o Banco e o Tribunal de Justiça e que tem por finalidade da continuidade às obras de Restauração do Centro Cultural do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, que visa restaurar o conjunto arquitetônico do antigo prédio do Palácio da Justiça. Os recursos foram autorizados pela direção do Banco e estarão à disposição do TJ já a partir e fevereiro. Anteriormente o Banco do Brasil já tinha autorizado e liberado R$ 550 mil para obra. O presidente do TJ, desembargador Samoel Evangelista disse que os recursos são importantes pois irão permitir a conclusão da etapa de estrutura física da restauração, que deve ser inaugurada ainda este ano. Samoel Evangelista e Arquilau Melo aproveitaram a visita de Marina Gaia e Ronaldo Freitas para entregar aos dois uma homenagem do Tribunal de Justiça ao Banco do Brasil pelo apoio da instituição às ações do Projeto Cidadão nos últimos 10 anos. A homenagem deveria ter sido entregue em dezembro, mas um problema de agenda impediu o superintendente do Banco de participar da solenidade em que a coordenação do Projeto Cidadão homenageou seus parceiros nas comemorações dos 10 anos do Projeto. Quanto ao Centro Cultural do Tribunal de Justiça, trata-se de um projeto da administração do poder que, preocupada em manter a memória viva da justiça acreana, realiza um dos seus projetos mais importantes nos últimos dois anos: a restauração do Palácio da Justiça e transformação em Centro Cultural e Museu, completando assim a reconstrução e restauração do antigo centro de Rio Branco. Segundo o desembargador Arquilau Melo, é para que a história não se perca e para contá-la às futuras gerações, através da visão judiciária, que o Palácio agora está sendo restaurado para ser transformado em Centro Cultural e Museu. O presidente Samoel Evangelista disse que o apoio de instituições como o Banco do Brasil, está possibilitando a consolidação do projeto, proporcionando sua integração ao centro histórico da cidade, que já foi todo reformado e restaurado pelo governo do Estado. Restauração A sede do Poder Judiciário acreano será restaurada à forma original. Lá funcionará o auditório do Pleno do TJ, o gabinete da presidência o museu da Justiça, uma cafeteria, um teatro, uma biblioteca e haverá espaço para exposições de fotografias, quadros de artistas locais. Com isso, o Judiciário abrirá suas portas para mostrar a história que ainda não foi contada nos seus 42 anos como Poder, a partir de três visões: a do Autor, a do Réu e a da Lei, tudo mediante acontecimentos reais que se encontram registrados nos processos em acervo. Entre os processos mais conhecidos, consta o julgamento dos assassinos do líder sindical e ambientalista Chico Mendes e o processo de investigação do assassinado do herói da Revolução Acreana Plácido de Castro.

Postado em: Notícias | Tags: Sem tags

Fonte: Publicado em 26/01/2006