Humanização e Ambientação das Varas da Infância e Juventude da Comarca de Rio Branco

A atuação das Varas da Infância e da Juventude cuja competência reside em processar e julgar as ações disciplinadas no ECA, os procedimentos criminais em que crianças e adolescentes são vítimas de crimes contra a dignidade sexual, e os feitos relativos a pratica de atos infracionais de adolescentes.

Para tanto, se faz necessário um ambiente físico acolhedor, humanizado e adequado para atender a esse público, vai de encontro aos preceitos legais supramencionados, além de interferir diretamente na qualidade da prestação de serviços e na saúde dos servidores. Segundo Ximenes (2000), acolhimento é “recepção que se faz a alguém, atenção, consideração, refúgio e proteção.” Em um ambiente inadequado, esse acolhimento se torna ineficaz.

Em suma, cabem as varas cientes da competência a elas incumbida, adaptarem-se para receber crianças e/ou adolescentes tornando a experiência de estar em uma tribuna menos dolorosa e estressante possível.

Fonte: Atualizado em 03/02/2020