TJAC contrata plataforma de inteligência de negócios para aprimorar gestão de dados

Contratação se justifica na exigência pelo atingimento de metas judiciais, que trouxe diversas transformações ao TJAC, tanto na reorganização dos processos de trabalho para o cumprimento das demandas, como em respostas positivas para a sociedade

Com o entendimento que a Inteligência Artificial (IA), ao ser aplicada no Poder Judiciário, pode contribuir com a agilidade e coerência do processo de tomada de decisão, a gestão do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), a pedido da Corregedoria-Geral da Justiça, contratou serviços de Solução de Business Intelligence (BI), da Qlik Sense, uma poderosa ferramenta que possibilita a visualização e de descoberta de dados com capacidade de inteligência de negócio e autoatendimento, permitindo a extração, a transformação e a carga de dados, para suporte à tomada de decisão para atender as demandas do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Prontamente, o Comitê de Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação (CGTIC) aprovou a contratação da plataforma, que será administrada pela Diretoria de Tecnologia da Informação (DITEC). A necessidade de sua contratação se justifica para o cumprimento das metas nacionais do Conselho Nacional de justiça (CNJ), como a Justiça em Números, monitoramento de indicadores das políticas judiciarias e administrativas (Metas do CNJ) e monitoramentos das ações de governança.

A determinação pelo atingimento de metas judiciais, presentes na Resolução CNJ n.º 333/2020 e Portaria n.º 119 de 14/04/2021, trouxe diversas transformações ao TJAC. Tanto na reorganização dos processos de trabalho para o cumprimento das demandas, como em respostas positivas para a sociedade. Para manter o controle do cumprimento dessas metas, bem como análises preditivas dos pontos de ação necessários a serem cumpridos, cada vez mais o Poder Judiciário é instigado a fornecer informações de processos judiciais e a transparência dos atos da administração.

Para o gerente de Sistemas da DITEC/TJAC, Samuel Braz de Araújo, a ferramenta deve assegurar a gestão de negócios do TJAC envolvendo: coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações, propiciando uma gestão mais assertiva. “A aquisição (da plataforma) garante a análise de grandes volumes de dados e informações e torna o processo de tomada de decisões mais eficiente por parte dos gestores, tanto na área judicial quanto na área administrativa”, concluiu o gerente.

 

Atualmente, a plataforma encontra-se na fase de implantação. Em seguida, serão disponibilizadas as capacitações técnicas, além do programa para alfabetização de dados para magistrados e gestores. A finalidade é engajar e nivelar os servidores para que possam compreender, analisar dados, construir gráficos e painéis de BI, com o intuito de melhor subsidiar os processos de tomada de decisão nos mais diversos setores da administração. Posteriormente, a disponibilização da ferramenta de consulta para clientes internos e externos, assim, a um curto prazo de tempo o jurisdicionado poderá acessar a solução pelo portal da transparência e na de estatísticas do site do TJAC.

Após a implantação da Solução de Business Intelligence (BI), da Qlik Sense, o TJAC projeta:

  • Garantir a infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação apropriada às atividades do Poder Judiciário do Estado do Acre;
  • Reduzir o tempo gasto para confecção de relatórios estatísticos do Poder Judiciário;
  • Oferecer que os usuários ganhem maior independência para confecção dos relatórios estatísticos do Poder Judiciário;
  • Criar painéis de informações disponíveis ao cidadão comum, privilegiando o princípio da transparência do Poder Judiciário;
  • Evitar o retrabalho que existe hoje em vários setores e sistemas para gerar relatórios estatísticos;
  • Construir Painéis (dashboards) para o portal Transparência;
  • Alta disponibilidade de dados e informações;
  • Permitir a distribuição compartilhada de relatórios e alerta sobre informações estratégicas do TJAC;
  • Melhorar controle orçamentário e financeiro;
  • Melhorar disponibilidade de dados estatísticos aos diversos órgãos judiciais;
  • Disponibilizar dados estratégicos e painéis de acompanhamento de metas do Poder Judiciário – CNJ;
  • Monitorar os gastos de custeios e investimentos, tais como: consumo de água, energia, folhas de papel, impressão, obras, matérias de consumo e permanentes, combustíveis e serviços gráficos;
  • Monitorar as centrais de serviços de TIC contratadas pelo Tribunal;
  • Monitoramento de informações de pessoal e material.
Elisson Nogueira Magalhaes | Comunicação TJAC