TJAC

Agência de Notícias

Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Vara da Infância e da Juventude lança cartilha sobre violência sexual contra menores

“Violência Sexual Contra Criança e Adolescente: Como prevenir?”. O título escolhido para a cartilha lançada nesta terça-feira (15), pela 2ª Vara da Infância e da Juventude de Rio Branco, resume bem a proposta do documento – ajudar pais, responsáveis e professores a identificar e prevenir casos de violência sexual contra menores.

O evento de lançamento da cartilha aconteceu no Palácio da Justiça, no Centro de Rio Branco, como parte das ações da Agenda 18 de Maio, data em que se comemora o Dia Nacional do Combate a Exploração e Violência Sexual de Criança e Adolescentes.

Na ocasião também foram premiados os vencedores do Concurso de Frases, voltado para estudantes de escolas públicas e particulares do ensino fundamental e médio da Capital, promovido pela vara, em novembro de 2011. O objetivo também foi alertar e envolver a comunidade escolar na luta contra o abuso sexual de crianças e adolescentes.

 “violência sexual: mais que uma marca que fica na pele, uma cicatriz que permanece na alma”

Com a frase “violência sexual: mais que uma marca que fica na pele, uma cicatriz que permanece na alma”, o grande vencedor do concurso foi o ex-aluno do 3º ano da Escola José Rodrigues Leite, André Lucas de Melo. Ele conta que, quando resolveu se inscrever no concurso, tratou de buscar uma frase que remetesse à profundidade dos problemas sofridos por jovens vítimas de abuso sexual: “esse não é um problema que pode ser confundido como algo passageiro, já a gravidade desse tipo de prática causa um impacto muito profundo na vida dessas crianças, desses adolescentes que passaram por isso e o tema deve ser entendido com a gravidade que merece”. 

André Lucas também considera louvável a inclusão da comunidade escolar na campanha contra a violência sexual de crianças e adolescentes. Para ele, “é muito importante manter o jovem informado, desenvolver métodos para que a juventude saiba como se prevenir, como se portar diante desse tipo de problema, fazer com que o jovem esteja apto a lidar com esse tipo de situação”.

O segundo e o terceiro lugar ficaram, respectivamente, com Julio Cesar Sueza da Silveira e Natasha Amorim Malato, ambos do Colégio Meta. Todos os vencedores foram premiados com máquinas fotográficas digitais e aparelhos MP4.

Conduzida pelo juiz Romário Divino, titular da 2ª Vara da Infância e da Juventude da Capital, a cerimônia de lançamento da cartilha e de entrega da premiação do concurso contou com a presença do Coordenador de Defesa da Infância e da Juventude do Ministério Público Estadual, Procurador de Justiça Carlos Maia; do Secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Nilson Mourão; e do Assessor Especial da Juventude do Governo, Thiago Higino.

Os convidados elogiaram a iniciativa do Poder Judiciário e aproveitaram a ocasião para reafirmar o compromisso conjunto das instituições no enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes.

Roubando a cena

Uma apresentação musical realizada pelos alunos Marcelo Brito e Nayana Dourado, da Escola Armando Nogueira, chamou a atenção dos presentes e “roubou a cena” no evento realizado no Palácio da Justiça.



Nayana interpretou a canção “Someone Like You”, da cantora e compositora britânica Adele. Cantando em um inglês impecável, a aluna resumiu em algumas poucas frases o drama sofrido por crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual: “friend, why are you so shy? it ain´t like you to hold back or hide from the light”, que, em português, dizem: “amigo, por que você está tão tímido? não é a sua cara se conter ou se esconder da luz”.

Explica-se: é que estudos e pesquisas realizados em diversas partes do mundo já comprovaram que um dos principais problemas enfrentados por vítimas de abuso sexual na infância está relacionado à dificuldade que a maior parte dessas pessoas apresenta em estabelecer contatos sociais, laços afetivos e até mesmo envolver-se plenamente em uma relação amorosa.

Saiba mais sobre as consequências da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes. Confira na entrevista a seguir as explicações do juiz Romário Divino, que ressalta a importância da cartilha como ferramenta pedagógica, de conscientização e prevenção.

Entrevista com o juiz Romário Divino:

 
S E R V I Ç O

1ª e 2ª Varas da Infância e da Juventude de Rio Branco
Rua da Alvorada, nº 764. Bosque. 69.909-710. Rio Branco.AC 
(68) 3211.5535 - jeinf1rb@tjac.jus.br - jeinf2rb@tjac.jus.br

Leia mais:



AGÊNCIA TJAC
GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO - GECOM


Registre sua denúncia, reclamação, elogio, crítica, sugestão ou dúvida na Ouvidoria de Justiça do Acre, o canal de comunicação da sociedade com a Justiça Acreana
Ouvidoria de Justiça

Compartilhe:




Política de privacidade
Diretoria de Tecnologia da Informação - DITEC